Beatriz Breacher

Filha de Fernão Bracher, fundador do Banco BBA – hoje Itaú -, Beatriz poderia seguir o caminho dos negócios. No entanto, por sua trajetória como escritora e roteirista alcançou grande sucesso e reconhecimento.

Beatriz Bracher foi uma das fundadoras da Editora 34, na qual permaneceu de 1992 até 2000. Esse trabalho foi executado ao final do seu período como editora, entre 88 e 91, na revista 34 Letras, que era especializada em literatura e filosofia.

Como roteirista, Beatriz deu sua contribuição no argumento do filme “Cronicamente Inviável” e nos roteiros de “O abismo prateado” e “Os Inquilinos”.

Pelo primoroso trabalho em “Os Inquilinos”, recebeu o prêmio de melhor roteiro no Festival do Rio e por “Anatomia do Paraíso”, Prêmio São Paulo de Literatura na categoria de melhor livro do ano.

Já com “Antônio”, conseguiu a terceira colocação na categoria romance no Prêmio Jabuti, como segundo colocado no Prêmio Portugal Telecom de Literatura e finalista do Prêmio São Paulo de Literatura.

Além disso, a escritora ainda recebeu o Prêmio Clarice Lispector e Prêmio Rio de Literatura por “Meu Amor” e “Anatomia do Paraíso” respectivamente.