Eliane Potiguara nasceu em 1950. Quando criança, as lágrimas dos olhos de sua avó despertavam também a sua curiosidade. A avó, Maria de Lourdes de Souza, não teve uma educação formal, mas tinha a sabedoria do acervo de histórias orais da cosmologia e dos costumes indígenas. A pedra verde que Eliane ganhou da avó, as lágrimas que ela percorria com ...

No sétimo episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino” as escritoras falam sobre a “Literatura para Crianças”. Ana Maria Machado, Lúcia Bettencourt, Lya Luft, Claudia Nina, Susana Fuentes, Marina Colasanti, Heloisa Pires Lima e Stella Maris Rezende estão nesse encontro. ...

Veja a importância da representação feminina nos livros infantis e conheça o lançamento do livro Bizunguinha - Meu lugar no mundo. ...

O que é realidade e o que é ficção na escrita de personagens literários? ...

A animação “Red: Crescer é uma Fera” é o primeiro longa-metragem da Pixar dirigido exclusivamente por uma mulher: a sino-canadense Domee Shi. ...

“Quantos olhos cabem numa mulher?”, nos pergunta Noemi Jaffe, no primeiro episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”, que traz também as escritoras Sandra Niskier, Conceição Evaristo, Eliane Potiguara e Marina Colasanti. ...

No último episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”, a pesquisadora Anélia Pietrani fala sobre a existência de uma escrita de autoria feminina e Meimei Bastos contesta os clichês atribuídos ao feminino. Nélida Piñon, Regina Dalcastagnè, Virgínia Vasconcelos, Ana Maria Machado e Beatriz Bracher não diferenciam a escrita da mulher da escrita de um homem. Natália Borges Polesso provoca uma reflexão ...

No décimo episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”, as escritoras falam sobre a maturidade, a sabedoria, a tranquilidade, o tempo, a morte e o estado de felicidade. Nélida Piñon revela que acha envelhecer difícil, porque você passa a ser dona de um corpo que não era o teu corpo, quando a sua imaginação ainda é jovem. Para Alice Ruiz, a ...

Conceição Evaristo fala sobre a influência da mãe em seu processo criativo, no nono episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”. Meimei Bastos reconhece a importância de seus ancestrais, que abriram caminho para que sua escrita pudesse ser exercitada hoje.Cristiane Sobral entende que se afirmar enquanto mulher e escritora negra é, também, uma estratégia de sobrevivência. Da poesia que declamava aos ...

No oitavo episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”, Cidinha da Silva fala da importância de uma literatura de autoria negra, a fim de buscarmos sentidos positivos para a existência do corpo negro. Conceição Evaristo traz mulheres negras como protagonistas em suas obras e aborda outras violências sofridas pela mulher, além da agressão física. Lilian Fontes lembra o quanto retratar um ...

Nélida Piñon relembra as dificuldades que enfrentou no início de sua carreira e em como foi exigente não só com sua escrita como com relação à publicação de seu primeiro livro. Stella Maris Rezende conta que lançar os primeiros livros, em geral, é o mais difícil. Natália Borges Polesso reconhece a importância que um prêmio traz à vida de uma ...

No quarto episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”, as escritoras falam sobre as suas primeiras letras, não necessariamente as que produziram, mas as que impactaram suas vidas e as levaram para a aventura literária. Vamos revisitar a narrativa oral das histórias que eram contadas para as meninas Ana Maria Machado e Miriam Alves. A ancestralidade indígena se faz presente nas ...

As escritoras compartilharam suas experiências sobre a construção de suas personagens no terceiro episódio da série “Literatura, Substantivo Feminino”. Essa construção pode surgir de uma pesquisa, como ocorre nos processos de Lilian Fontes, ou na observação atenta de Alice Ruiz, nas memórias de Conceição Evaristo, na doação de órgãos que ocorre no processo de criação Miriam Alves, no encontro consigo ...

O episódio “Borboletas” mostra como a escrita se revela no encontro com cada vírgula em Meimei Bastos, no projeto literário de Marina Colasanti, na disciplina e no caos de Ana Maria Machado, na escrita em espirais de Lya Luft, no escrever diário de Cristiane Sobral, na pulsão em Conceição Evaristo, no lapidar de Beatriz Bracher, na fluidez de Susana Fuentes, ...

Que tal um encontro com escritoras e personagens femininas da literatura brasileira que, através das letras, eternizaram em prosa e verso questões existenciais, sociais e políticas contundentes que influenciam o pensamento de sua época e das que viriam depois? ...