Reforma administrativa e a qualidade do servico público

“Na reforma, como está proposta agora, não é possível reduzir as desigualdades nem garantir a qualidade do serviço público prestado.”

O setor público, hoje, ramifica-se em diversos órgãos administrativos, por isso não é possível falar sobre ele como uma unidade. Apesar disso, é possível delimitá-lo, por exemplo, em termos de desigualdade: Desigualdade do serviço, desigualdade de financiamento, desigualdade de salário e, também, desigualdade de raça e gênero – com destaque para negros e mulheres (e mulheres negras).

Em vídeo entrevista para o Mulheres de Luta, a cientista política Daniela Costanzo explica um pouco desse contexto e como a proposta de Reforma Administrativa o atinge.

Daniela Costanzo destaca que a Reforma Administrativa proposta pelo governo não engloba as carreiras típicas de Estado, por esse motivo, a proposta acaba acentuando as desigualdades e, mais grave ainda, não garantindo a qualidade do serviço público.